X

Caso tenha alguma questão que nos queira colocar, clique no botão “Desejo Ser Contactado” e envie os seus dados. Obrigado e até breve!

A Hipertensão Arterial (HTA) é um dos principais factores de risco de doenças cérebro-cardiovasculares, tendo um grande impacto social no que concerne à morbilidade e mortalidade.

Estatisticamente, em Portugal a incidência de HTA na população entre os 25 e os 74 anos é superior à média da União Europeia, resultando num forte impacto de saúde da população, que tende a ficar envelhecida e com problemas de HTA cada vez mais cedo.

Hipertensão Arterial na Pessoa Idosa

O elevado aumento de idosos com HTA está associado a determinantes de saúde:

A pressão arterial exercida nos vasos sanguíneos tem impacto no funcionamento dos órgãos vitais, tendo como principais sintomas cefaleias, taquicardia, tonturas e zumbidos. As principais doenças associadas à HTA são Acidente Vascular Cerebral (AVC), Enfarte do Miocárdio, Angina de Peito, Aterosclerose, Insuficiência Cardíaca e Renal.

A detecção precoce da HTA, é um fator determinante para uma abordagem mais eficaz, particularmente nos indivíduos com risco cardiovascular acrescido, de forma a adequar a orientação terapêutica farmacológica e não farmacológica, bem como a periodicidade de vigilância no concerne ao controlo tensional e desta forma definir prioridades de intervenção nos serviços prestadores de cuidados de saúde.

Em pessoas com perfil tensional com risco baixo ou moderado de HTA, é recomendado a adopção de atitudes e estilos de vida saudáveis, a monitorização periódica da Tensão Arterial (TA) e a correcção de outros factores de risco.

Em pessoas com perfil tensional com risco elevado e muito elevado de HTA, é recomendado iniciar terapêutica anti-hipertensora. O principal objectivo da terapêutica farmacológica anti-hipertensora é a redução persistente da TA para valores considerados normais, com o mínimo de reacções adversas, conservando o melhor possível a qualidade de vida.

Na DomusVi fazemos acompanhamento multidisciplinar permanente, uma intervenção individualizada consoante a situação do Cliente, sendo a avaliação inicial um momento fundamental para definir o tipo de intervenção a adoptar. Assim, a equipa de enfermagem, em parceria com a equipa médica,é responsável por planear a periodicidade de avaliação de Tensão Arterial, consoante o risco de HTA do Cliente. A intervenção do enfermeiro passa também pela educação para a saúde, de forma a atingir estilos de vida saudáveis.

A avaliação médica torna-se fundamental para direcionar a prescrição terapêutica às necessidades do Cliente, tendo em conta a sua história clínica e antecedentes pessoais. Fica ao encargo do nutricionista adequar o plano alimentar, de forma que o Cliente tenha à sua disposição uma dieta compatível com as suas necessidades calóricas e proteicas, com o mínimo de impacto hemodinâmico.

 

Eduardo Pereira - Gestor de Cuidados da DomusVi Santo Agostinho

Eduardo Pereira – Gestor de Cuidados da DomusVi Santo Agostinho